Produtores do cerrado piauiense esperam safra recorde de grãos

Matopiba projeta retomada com cautela após boa safra de soja amenizar perdas com seca
25 de março de 2017
Confira como foi a noite do “Oscar” da soja
30 de março de 2017

Apenas de soja, a expectiva é de uma colheita de dois milhões de toneladas. Período chuvoso bem distribuído foi determinante para o otimismo. 

Um período chuvoso bem distribuído vem fazendo com que os produtores de grãos do Cerrado Piauiense fiquem animados com a possibilidade de uma safra recorde. Somente na produção de soja, a expetativa é de que serão colhidas mais de dois milhões de toneladas desse grão.

No distrito de Nova santa Rosa, em Uruçuí, o agricultor Eneas Bovino plantou seis mil e 500 hectares de arroz, soja e milho. O primeiro deve ser colhido no próximo mês, já a soja deve ser retirada do campo ainda neste mês. Na lavoura de milho, as espiga já estão cheias.

“Choveu no tempo certo, no tempo do plantio nas condições normais. Hoje a expectativa é bem diferente de 2016. Vamos pagar uma parte da conta do ano passado, que restou. O estado tem um potencial muito grande e a gente acredita que estão desenvolvendo e chegue ao ponto de nós termos um asfalto e colocar a nossa produção no destino”, disse.

Em Baixa Grande do Ribeiro, os agricultores plantaram mais cedo, em outubro do ano passado. Por isso, na Fazenda Ribeirão, a 400 km da capital, a colheita já começou. Só de soja, são 58 mil hectares. Lá, a chuva também fez a diferença, a produtividade neste ano chega a quase quatro toneladas por hectare.

Com a chuva ajudando, os produtores não estão perdendo tempo, logo depois que as colheitadeiras passam tirando a soja do campo, na mesma área, aproveitando a palhada da soja, outras máquinas vêm adubando e plantando milho. Se tudo continuar correndo como querem os produtores, será colhido em junho deste ano.

“Esse ano nós temos que manter essa média de produtividade e melhorar ainda mais, usando melhores materiais e outras variedades, mas nunca deixar o solo descoberto. Essa é uma preocupação muito grande da gente”, disse Pedro Campo, gerente da fazenda.

Quase toda a produção vai para o mercado asiático e o escoamento acontece pelo Porto de Itaqui em São Luís, em navio cargueiro da própria empresa. Segundo o gerente da fazenda, depois de um 2016 difícil, enfim, uma safra compensadora.

fonte: Do G1 PI

------WebKitFormBoendarytFSVsB7w6AZ7O5Ba Content-Disposition: form-data; name="betheme[header-style]" stack,center